Arquivos de Tags: unix-likes

One-liners — Faça tudo em uma linha

Estou me preparando para a certificação LPI-1, e antecipando deixo um bônus para meus amigos leitores deste humilde blog, com vocês… os ONE-LINERS!

É sabido que todos administrador de Linux é obrigatório o uso do bash, para quem não sabe este cara é o interpretador de comandos dos sistemas baseados UNIX que inclui também o lindo MacOS X dos iMacs e Macbooks e que tal fazer tarefas rotineira com apenas uma linha no terminal?

O que vem a ser o one-liners?

O one-liners é poder fazer vários processamentos encadeados usando o pipe “|” que por sua vez o que faz o pipe? Calma gafanhoto que irei explicar 😉

Era uma vez… deixa pra lá! Hehe. Pra entender como funciona na pratica é assim, ele funciona joga o que seria mostrado na tela para o programa que vem logo adiante, olha a o mostro aí:

$ cat cidades.txt | grep "Araçatuba"

Esse é um exemplo de pipe mais básico a explicar, o programa cat deveria mostrar todas as cidades na tela mas manda para o grep que mostra aquelas cidade que tanto quer ver 😀 . Pode haver mais de um pipe, entretanto a quantidade de comandos não entra em consideração somente a solução

Onde existe vida?

O super SED, uns dos poderosos one-liners

O super SED, uns dos poderosos one-liners

Quer ver mais soluções usando o bash e as maioria dos comandos no terminal? pode usar o Bash one-liners e também outros grupos de one-liners, como a do SED! Eita, este brinquedo poderoso, mas para tirar a domar precisamos conhecer os seus encantamentos, lembra daquele artigo que falei do piazinho como um livro de receitas? Isso… aí entra muito on-liners com as expressões regulares 😛

Ah, Aurelio Marinho Jargas

PS: Araçatuba é minha cidade natal.

PS #2: No momento que finalizava este texto encontrei um outro site de one-liners o Commandlinefu

Sistemas 64 bits — Vale a pena migrar?

A boa é que vale a pena sistemas 64 bits. Olha que uso sistema baseado em 32 bits e minha maquina já está fazendo 8 anos de guerra e bate firme, um Dell Latitude 120L, e pior não perde nada para uma recente. Claro que fiz alguns updates como memória e HD. A pioneira dos sistemas 64 bits é a AMD e por isso até hoje é retratado amd64, mas não venho falar de história!

O bom dos sistemas 64 bits!

Por um lado a migração dá grande folego de processamento, logo é o dobro de informação processadas no mesmo tempo. Mas tem pecado muito em quantidades de aplicativos voltados para esta plataforma, inclusive sistemas ERP(para quem não sabe Sistemas Integrados de Gestão Empresarial (SIGE ou SIG), em inglês Enterprise Resource Planning) e muitos outros voltado para o uso comercial. feitos em VB e DELPHI e acredito que estas linguagem mais comerciais deveria ter compiladores para 64bits, e outra critica que os componentes visuais ficaram para trás.

AMD, pioneira em sistemas 64 bits

AMD, pioneira em sistemas 64 bits

A variedades de aplicativos para o 32 bits é vasta e muita gente apostando em usar maquinas virtuais para fazer a portabilidade de suas aplicações sem dores de cabeça! E ainda bem que os sistemas ainda mantém estes códigos legados, não mais! Temos que evoluir, não é? Precisamos produzir para sistemas 64bits se quisermos aposentar o legado e este suporte está deixando de ser obrigatório já faz alguns anos.

Eu particularmente fico ainda com 32bits mesmo que a minha bateria já não existe, então é um desktop. Estender até onde esta tecnologia aguenta, basta sempre ter um sistema atual para a maquina.E preparem que estou elaborando um texto para um novo player nos mundo dos processadores, o ARM!

PS: Não é plágio e sim um texto original e sua ideia baseia Ubuntu 32 ou 64bits (Reloaded)!

Make vs Ant — Automatizadores de tarefas

Make vs Ant é a batalha de quem precisa automatizar compilações, limpeza e geração de documentação no projetos, facilitando a vida do desenvolvedor e tirar o calvário de gerar um “nightly build” diariamente.

Make vs Ant

Existe o make, que já é muito conhecido pelos dinossauros da programação onde utilizam até hoje para automatizar o processo de compilação dos fontes principalmente, enquanto o ant muito utilizados pela turma do java, abaixo segue as sutileza das duas ferramentas:

Wikipédia escreveu:

A mais aparente diferença entre as ferramentas Ant e make, é que a primeira utiliza um arquivo no formato XML para descrever o processo de construção (build) e suas dependências, enquanto o make possui o seu próprio formato de arquivo, o Makefile. Por padrão este arquivo XML tem o nome build.xml.

Um dos principais objetivos do Ant é resolver os problemas de portabilidade do make. Num arquivo Makefile (o arquivo lido pelo make) as ações para construir o projeto (por exemplo, gerar um arquivo executável) são disparadas por comandos do sistema operacional (ou mais especificamente, da sua shell), usualmente uma shell Unix. O Ant resolve este problema através do grande número de funcionalidades próprias, e que garante que se comportarão identicamente (em tese pelo menos) em todas as plataformas.

Perl, assim como toda linguagem scripting consegue solucionar o proposto pelo make vs ant

Perl, assim como toda linguagem scripting consegue solucionar o proposto pelo make vs ant

Perl toda distribuição tem!

Esse é outra linguagem de script, além do Python, Ruby e o Shell, conforme já expliquei aqui. E esta disputa de make vs ant ganha outras dimensões com estes competidores.

O Perl encontra-se em toda distribuição Linux que se preza tem suporte por default desta linguagem. No CPAN, onde é depositados as impressionantes quantidades de módulos e que tem o lema:

Nós não importamos com a qualidade, não importamos com o propósito, apenas queremos hospedar seus módulos

Hoje em dia o Perl, a linguagem está fora de forma sem muitos recursos porém muita gente nos bastidores fazendo melhorias para a comunidade, tais como o Modern::Perl! O companheiro de longa data em java precisou entrar neste mundo e trouxe para nós o que encontro no fantástico mundo do Perl.

Pode automatizar suas usando as mais variadas linguagem de scripts. Já vi casos de utilizar linguagens para fazer automatização, usando o cron para disparar a atividade. Lembrando que todas linguagem mostradas aqui podem ter um grau de complexidade, exceto a batalha do make vs ant que faz o proposto

 

Powershell — Powers para prompt de comando

O Powershell é o novo prompt de comando para servidores da Microsoft em substituição e é extremante poderoso ao ultrapassado, então apresento e convido a conhecer o Microsoft Powershell!

Powershell, uma melhoria para servidores

Era ruim trabalhar no servidor com antigo prompt de comando, além de muito ultrapassados e extremamente limitado que era o cmd.exe, é possível usar na versão do Windows XP e posteriores. Ele é uma cópia dos shell e tem recursos de semelhantes plataformas unix(es), aceitando pipelines outros recursos, empatando o uso com o Linux.

Uma sessão do powershell

Uma sessão do powershell

Caso sua empresa ainda te segura para melhores horizontes na programação acrescente este “plus” em seu servidor que poderá te ajudar nas mais diversas ocasiões ocasiões!

Conclusão

O Windows server acordou para vida para agilizar processos no servidores, já que os recursos seja maximizados usando um powershell também além de retirar a interface gráfica que demanda muitos recursos como memória e vídeo, sendo dispensável em missões onde não apresentam informações para o sysadmin na interface de saída como o IIS e entre outros. E isso é uma mudança de conceito sobre os uso de recurso, vale a pena conferir! 😀

Esqueci de mostrar o link para para baixar? Você encontra aqui para Windows 2008 e necessita pré-requisito a plataforma .NET para ser executado.

Ubuntu para servidores é imaturo ainda

Vamos falar de Ubuntu para servidores e o Ubuntu tem uma falta de padrão e irando muitos usuários, essas mudanças radicais até desagradou-me por suas configurações sempre estão mudando de lugar e radicalismo nos aplicativos usados.

Eu ando desconfiando que não segue a Linux Standard Base. Não sabe o que é a LSB? Buscando na Wikipédia significa:

Wikipédia escreveu:

O objetivo da LSB é desenvolver e promover um conjunto de padrões que aumentarão a compatibilidade entre distribuições Linux e permitir que aplicações de software funcionem em todo o sistema comum. Além do mais, o LSB ajudará esforços coordenados para recrutação de vendedores do software para portar e escrever produtos para Linux.

Ubuntu para servidores ainda não é uma boa opção

Ubuntu para servidores ainda não é uma boa opção

Mesmo o uns dos ferrenhos evangelista que conheço em sistemas Linux/BSD, o @tiagonux, desconsidera o Ubuntu em servidores de qualquer porte. Recomendo que acompanhem seu blog

Ubuntu para servidores e o que acha de Desktop?

Para dar o pontapé inicial, neste imenso mundo da computação é o ideal e principalmente para entusiastas e estudante das ciências da computação, enquanto para usuário doméstico este irá ficar somente na superfície da bolha usando para uso essencial da tecnologia. E muitos ativistas de Software Livre acreditam que até a dona de casa será mestre em programação pela disseminação desta plataforma. Uma das promessas é narrada neste vídeo o poder da colaboração:

E para servidores o que temos?

Atualmente estou recomendando para servidores, o CentOS que é redistribui e reempacota fielmente a Red Hat Enterprise Linux já que os fontes são abertos, entretanto a Red Hat não distribui mais o seu produto. Agora se seu servidor é de missão critica, eu recomendo a família BSD, e aqui tem uma excelente explicação!

PS: Como sou mais partidário pelo OpenBSD que é extremamente duro na queda e com isso não é muito flexível!

Rolling release — Linux sempre atualizado!

Uma distribuição linux sempre atualizada são as rolling release! Elas são distribuições que o estagio de atualização é contínuo, ou seja, sem interrupções, levando ao usuário o mais recente softwares para o seu sistema trazendo correções de bugs e novas features sem demora.

Conheças as mais famosas Rolling Release

Matéria prima para rolling release rolando abaixo são duras na queda

Matéria prima para rolling release rolando abaixo são duras na queda

Para os mais variados tipos de distribuições as rolling release e ela por si própria idependentes de outros fatores, as mais famosas são ArchLinux e Gentoo Linux atualmente.

Algumas já sairam fora de cena, entretanto usei a considerada a “distribuição do gnome”, o Foresight Linux onde estava a disposição dos usuários a mais recente do famoso desktop em questão de horas. É uma distribuição promissora e inovadora mas entrou em animação suspensa e me forçou a troca para uma bem mais popular que teria uma vida longa que é o Ubuntu.

Menção honrosa da Gentoo Linux

A distribuição gentoo além de ser uma rolling release, preza otimização para a maquina onde é instalada. Compilando todos os pacotes fazendo que se torne um sistema unico para a maquina em que foi instalado e é penoso sua instalação em consequencia tem um sistema extremamente robusto.

 

Otimizando desempenho de redes

Toda rede, interna ou externa, precisa de ações para bom aproveitamento como otimizando desempenho de redes. Entretanto precisamos não só apenas na dos servidores e assim também no webapp sem esquecer o banco de dados.

Otimizando desempenho de redes!

Na computação existe algumas premissas para obter bom desempenho, seja para uso em desktop(muito utilizado no contexto doméstico) e também em servidores e como base da maioria aplicações em servidores resume um serviço HTTP entretanto as demais pode servir para outros temas:

  1. Cache
  2. Bom equipamento
  3. Sistema bem configurado

Cache

Wikipedia escreveu:

Na área da computação, cache é um dispositivo de acesso rápido, interno a um sistema, que serve de intermediário entre um operador de um processo e o dispositivo de armazenamento ao qual esse operador acede. A vantagem principal na utilização de uma cache consiste em evitar o acesso ao dispositivo de armazenamento – que pode ser demorado -, armazenando os dados em meios de acesso mais rápidos.

Consegue baixar consideravelmente a carga do equipamento e do sistema ficando até ocioso? Isso é os segredo de toda e qualquer otimização. No servidor, podemos usar o Varnish Cache ele tem bom apelo para páginas estáticas e também com poucas atualização, colocando na memória RAM economizando tempo de I/O do HD que é lento, tem poder de processar mais de 1000 usuários simultaneamente.

Para webapp, também podemos utilizar cache fazendo que somente coloque na memória caso alguma informação foi modificada no banco de dados. O meu xará ensina bons truques de otimização dos webapp usando ETAG para geração da página e mencache para cache em RAM via aplicativo.

Um fato curioso é que atualmente as grandes corporações estão utilizando sistemas de banco de dados orientado a documentos(não relacional) tais como o couchdb, o mongodb e cassandra que tem mais desempenho aos relacionais porém perde para manutenção do banco, o cenário já está mudando!

O Bom equipamento

O que adianta um bom sistema se o que deixa na mão é justamente o equipamento, com qualidade duvidosa e baixo rendimento!

Sistema bem configurado é a(l)(r)ma do negócio!

Leia a vontade, alma ou arma 😉 , com o sistema bem configurado consegue extrair o máximo de seu equipamento levando-o a sua carga máxima.

Nesta notícia não muito recente os responsáveis pelo o Google afirma que não possui o melhor equipamento do mercado para os servidores e seus hardware são de baixo custo com qualidade mas extrai até a ultima gota. Com o sistema bem configurado, também uma Otimização, seu desempenho pode chegar com hardware modesto grandes quantidade de dados processados e consultas na rede ou mesmo na internet

Na internet excesso de velocidade não mata e respeito no transito

Na internet excesso de velocidade não mata e respeito no transito

Para cache no servidor, um site que é a situação mais aplicadas, entretanto o servidor em seu principio é para páginas estáticas. Que não exige processamento somente a entrega do conteúdo. E a internet nos dias atuais é dinâmica então precisa de cache na frente, no meio e atrás (ui!) 😛

No meu pequeno servidor na mesa

No meu desktop em casa apenas utilizo o cache DNS, como utilizo Linux é o DNSMASQ que otimiza a consulta para menos de 1ms, não demorando para baixar o endereço solicitado. Entretanto tem outros cache que faz a otimização dos dados. Também apliquei otimização no meu navegador em prol do download concorrente de um site, conhecido como http pipeline que é uma técnica que dispara muitas requisições simultaneamente ocorrendo o download concorrente.

Mensagem para aqueles que fica presos no transito

[Update: 27/7/2012 0:00]

Servidores secretos do Google são construídos no escuro

Alternativa para Exchange com Expresso Livre

Expresso Livre, a alternativa para o Exchange da Microsoft

Expresso Livre, a alternativa para o Exchange da Microsoft

Então veio procurando uma alternativa para Exchange da Microsoft? Apresento uma solução nacional que é o Expresso Livre que é um fork de um famoso groupware, o e-GroupWare,  é opensource é mantindo com os cofres público. Seu maior case aconteceu na Caixa Econômica Federal.

O que é o Expresso?

da Wikipédia

… Iniciado pela Celepar, o seu objetivo foi fornecer aos usuários do Governo do Estado do Paraná uma ferramenta econômica e de código aberto, em contraste com outras soluções proprietárias

Criticas ao Expresso

Mesmo não tendo feito uma prova de fogo, percebi que sua interface é fraca para utilização no ponto de vista dos usuários, quais encontra muitas criticas sobre este projeto divulgada pelo conhecido Br-Linux.org. Entretanto a interface, em minha opinião, é muito desorganizada e poluída e com informações desencontradas e funcionalidades desnecessárias. Recomendo, além da repaginação da interface também aplicar a técnica de Graceful Degradation.

Se quiser experimentar o Expresso os mantedores do projeto disponibiliza um usuário demonstrativo para conhecer a interface.

Outras alternativa para Exchange

Mas não só existe o Expresso para suprir a lacuna, pode também utilizar o Lotus da IBM, uma solução paga de alternativa para Exchange, a sua dominância ainda é inabalável entretanto o seu bolso não. Poderia o acaso a comunidade desenvolver solução equiparada ao Exchange?

Keep it simple stupid!

O KISS é o pensamento minimalista e simples de fazer as coisas, denominado como Keep it Simple Stupid. Este lema é antigo e recentemente surgiu memes na interweb para quem trabalha com web, a expressão “menos é mais” segue o mesmo raciocínio minimalista.

Keep It Simple Stupid, como um beijo

Keep It Simple Stupid, como um beijo

O interessante deste pensamento, você tende a um produto enxuto, aplicado na web terá um visual menos poluído deixando somente informações necessárias.

Existe duas formas de executar, conforme explicado no post Progressive Enhancement versus Graceful Degradation do Tableless, na minha opinião consegue aplicar estas técnicas nos mais variados projetos de software e outras áreas fora do meio tecnológico.

Onde conheceu “Keep it simple stupid”?

Conheci este conceito aplicado no GNU/Linux, comecei minha jornada realmente com o Conectiva 4 que era a distribuição da finada e muito bem informativa a Revista do Linux, na sua edição N.1 lançada em 1999. Mas é a distribuição GNU/Linux Slackware, que vi sua filosofia preza purista descartando o desnecessário para seu funcionamento.

Live USB para Linux e Windows

Live usb com Ubuntu

Live usb com Ubuntu

A onda de portabilidade está na área e com ela estou trazendo o tema live USB, tem funcionamento igual ao um live CD porém mais flexível e customizável.Para meu experimento utilizei a imagem do Ubuntu obtida no site da Ubuntu em versão estável até o momento 11.10, caso se interessou pela distribuição e gostaria de saber mais a respeito veja a entrada da Wikipédia sobre o Ubuntu e recomendo esperar mais um pouco que seu lançamento dia 30 de abril passado.

 

Vou deixar links para executar a façanha do Ubuntu no LiveUSB no Linux e também no Windows retirado do site oficial da distribuição!

Windows 7 também pode ser instalado usando live usb

Live usb com Windows 7

Live usb com Windows 7

Para fazer a façanha basta segui este tutorial que encontrei no fórum do baboo e está muito explicado e simples de montar o pendrive para fazer a instalação no seu netbook ou ultrabook(este tipos de equipamentos que necessita de drive externo de CD/DVD para fazer a baixa do sistema operacional).

Deixo bem claro que este passo a passo serve somente para Windows Vista e 7, está descartada opção para Windows XP.

O Canivete suíço

É extremem te útil para maioria dos técnico de informática manter o canivete suíço do Hiren’s BootCD com uma infinidade de utilitários para fazer reparos em maquinas de clientes com possibilidade de usar como sistema portátil, basta seguir o post do site oficial Hiren’s para fazer seu canivete.

O que promete ainda?

Por enquanto a velocidade de I/O dos pendrives mesmo em sua versão mais recente são muito lento ao comparar um HD e muito rápido a tecnologia vem atropelando a passos largos, como o substituto do USB, o Thunderbolt, desenhado pela Intel em parceria da Apple e também existe em pouco equipamentos a porta E-SATA que é especifico para ligar HD do padrão SATA externamente do gabinete é uma excelente opção para quem quer uma boa velocidade exigindo cabo específicos e não é muito difundido e você encontra em equipamentos voltado para clientes corporativos.

PS: Para quem trabalha no ramo de informática é essencial saber o “inglês técnico” e jargões e para quem está começando vai no Google Translate e cole os links para convertê-los e terá uma tradução razoável para entendimento.

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE